Cervejas artesanais no Brasil: pesquisa revela detalhes sobre consumo


Cerveja e Marketing, Gestão e Negócios

Uma pesquisa feita pela startup Mind Miners em parceria com a AT Kearney revelou curiosidades sobre o consumo de cervejas artesanais no Brasil. Segundo o levantamento, 65% dos entrevistados já provou algum rótulo produzido por marcas de pequena escala. Destes, 53% diz ter experimentado cervejas artesanais, enquanto 12% afirmam  consumi-las com frequência.

Entre os motivos apontados pelos entrevistados para preferir uma cerveja artesanal, estão o sabor diferenciado, o apoio à cultura cervejeira artesanal, a diversidade de rótulo, a influência de amigos e até o fato de que consumir cerveja artesanal está na moda.

Ao comparar cervejas artesanais com cervejas de larga escala, 77% dos entrevistados dizem que a diferença de sabor entre as duas é gritante, 59% concordam que a cerveja artesanal agrega mais qualidade ao produto e 45% dizem preferir consumir menos quantidade de uma bebida artesanal do que mais quantidade de uma cerveja industrializada.

Já entre os que não consomem bebidas artesanais, as razões apontadas foram a falta de oportunidade – em surpreendentes 72% dos casos –, o preço (13%)  e o fato de não gostarem do sabor (12%).

O levantamento ainda mostra um recorte regional interessante para o consumo das artesanais. Enquanto nas regiões Sul e Sudeste, 18% e 15% dos entrevistados, respectivamente, dizem consumir cervejas artesanais com frequência, apenas 3% dos entrevistados da região Nordeste afirmaram o mesmo. Por outro lado, os números ficam mais parecidos quando são analisados os entrevistados que dizem já ter experimentado cervejas artesanais algumas vezes – 53% na região Sul, 57% na região Sudeste e 43% no Nordeste.

pessoa bebendo cerveja

Homens de classe alta são os principais consumidores

Outro recorte apresentado no questionário ajuda a entender o perfil do público. Segundo a pesquisa, homens de classe alta e com idades entre 25 a 40 anos são os principais consumidores de rótulos artesanais. Se for analisada a frequência de consumo, os homens entrevistados informaram ainda beber mais cervejas artesanais em casa e em bares do que as mulheres ( 53% e 44% contra 42% e 35%, respectivamente).

Ao observar o consumo de artesanais entre os mais jovens – com idades entre 18 e 24 anos, apenas 28% dos consumidores dizem beber cervejas artesanais em casa, contra uma média de 51% nas demais faixas etárias. Entre este público está ainda os que informaram consumi-las com menos frequência em quaisquer lugares, sejam restaurantes, bares, baladas e outros eventos sociais.

Impressões sobre marca e comunicação com o público

Da mesma forma que analisa o perfil do mercado, o estudo da Mind Miners e da AT Kearney trouxe pistas importantes para a comunicação e o posicionamento das marcas em relação ao público.

Ao final da pesquisa, os entrevistados foram questionados sobre o que uma nova marca poderia fazer para conquista-los. Entre as respostas destacadas pelo levantamento estão

– “que a marca apoiasse causas importantes e que demonstrasse isso efetivamente”, nas palavras de um homem de 32 anos, pertencente à classe A

– “A comunicação deve ser respeitosa e inclusiva, jovem e moderna”, segundo uma mulher de 32 anos da classe C.

– “Com marketing inteligente, bom humor, respeito à diversidade e bom preço nos pontos de venda”, na visão de um homem de 39 anos integrante da classe C.

– “Colocaria uma propaganda com a família junto consumindo e não só o homem como o cara”, de acordo com uma mulher de 40 anos pertencente à classe A.

– “Falar com que tipo de comida a cerveja combina”, diz um homem de 30 anos com renda equivalente à classe B.

“Tratando homens e mulheres com igualdade”, de acordo com uma mulher de 23 anos da classe B.

Entre as conclusões, a pesquisa ponta que “o consumidor que antes costumava beber só rótulos artesanais descobriu que o sabor da cerveja vai além disso” e ressalta que este comportamento não ocorre apenas entre as classes sociais mais alta, identificando que o mercado está exigindo cada vez mais transparência das marcas e que a publicidade por si só “já não é mais suficiente para conquistar a lealdade”.

O estudo sobre cerveja foi realizado entre os dias 19 e 26 de janeiro de 2018 e contou com uma amostra de 1.000 respondentes do painel da MindMiners, reunido na rede social de opinião MeSeems. Antes do envio do questionário, um mapeamento da base garantiu que apenas consumidores de cerveja participassem da pesquisa.

 

comentários