Blog

Dimensionamento dos equipamentos

Quando se decide por montar uma microcervejaria em tempos atuais é de bom senso pensar em um custo mínimo de investimento. Apesar de ser um ramo em franco crescimento, investimentos são sempre arriscados.

Para reduzir os riscos e aumentar a chance de sucesso é preciso fazer um bom planejamento e um plano de negócios para curto, médio e longo prazo. Incluir no plano inicial de negócio um planejamento financeiro com os valores que se pretende investir na implementação da cervejaria e um capital de giro para cobrir as despesas fixas e variáveis da fábrica até que a mesma comece a gerar lucro.

Marketing, a escolha de equipamentos de boa qualidade, dimensionamento da capacidade de produção e o que se deseja produzir.  Escolher um local em que se pode atingir o máximo volume de produção e escoamento (vendas) mínimo necessário sem grandes dificuldades, planejar e dimensionar adequadamente cada um dos equipamentos, dos periféricos e das instalações é uma forma inteligente de se começar.

Vale a pena economizar?

O que acontece é que, por muitas vezes, economizar em certos aspectos significa que, em algum momento, podemos nos deparar com problemas complexos. Problemas esses que vão desde equipamentos que não são fabricados de acordo com as prescrições técnicas de cervejeiras, com requisitos mínimos de segurança, até mão de obra não especializada fazendo uma instalação hidráulica sem o menor critério, acarretando em sérios riscos de infiltrações, por exemplo.

Para a concepção da sua microcervejaria algumas premissas do projeto deveriam ser respeitadas drasticamente, principalmente o dimensionamento dos equipamentos.

Analisando cada etapa de fabricação da cerveja para a sua cervejaria, determinam-se as dimensões necessárias exatas da tina de mostura (capacidade de litragem, diâmetro, altura); tina de filtração (esse equipamento deve, necessariamente, ter no mínimo o mesmo volume que o de mostura, já que vai armazenar tudo que vier da primeira etapa do processo, além de se acrescentar o volume ocupado pelo fundo falso); tanque de água quente (pensando na capacidade de água necessária para toda a brassagem) e cozinhador de mosto (que recebe o mosto vindo da tina de filtração). Além, claro, dos tanques de fermentação/maturação.

Dito isso, leia sobre o seguinte caso – verídico:

Chegada a hora de montar a microcervejaria. A produção ficou séria, a demanda já era grande, ser uma cervejaria cigana não lhes inspirava mais. Certo. Num golpe de sorte, o local perfeito foi alugado, planilhas de planejamento, orçamento, execução, produção, plano B, C, D… Tudo estava no papel! Barris comprados, rotuladora, bomba, enchedora, trocador de calor, e por aí vai. A sala de brassagem foi encomendada de um cara que tinha um trabalho muito legal em inox (mas nenhuma experiência com salas de brasagem)! Tanques de 3.000 litros.

Primeira brassagem, mosto pronto. Manda pro tanque de fermentação 1.500, 2.000, 2.500… 3.000 litros… Acabou o mosto e sobrou fermentador. Muito grande. O dobro do volume!!!

Ok, tudo bem. Nada de pânico, pelo contrário. Esse caso é quase pra se comemorar! Pagaram por um tanque de 3.000 litros e entregaram um de 6.000. Com duas bateladas será possível   enchê-lo. Maior capacidade, mais cerveja! Mas isso não estava nos planos…. Tiveram que adaptar todas as receitas, redimensionar tudo e refazer todo o planejamento de produção/escoamento!

Nesse caso, apesar do tempo (e, consequentemente, dinheiro) perdido, o ocorrido foi para melhor. A fábrica deu um salto de produção e encontrou caminhos para um fácil escoamento da sua produção. Pularam alguns meses (ou anos) de evolução natural, sem querer.

Estudar o volume e a eficiência das receitas originais e do próprio equipamento é sempre necessário e de suma importância, como já foi visto.

Outra dica

O volume dos tanques deve ser planejado e dimensionado pensando em um número de cozimentos, bateladas não excessivo, possibilitando o esvaziamento e o enchimento em um curto espaço de tempo, assim otimizando o processo de produção da cerveja. Além disso aumenta-se o seu ciclo de uso e não se faz necessária a aquisição de tanques extras, pensando em economia.

Enfim, quando começar a planejar a sua produção, seja dentro de uma microcervejaria (ou mesmo em casa), antes de mais nada responda a esta simples pergunta:

Quantos litros de cerveja você quer produzir?

Ein Prosit!

Para saber mais sobre equipamentos cervejeiros conheça o curso da ESCM de Tecnologia Cervejeira Avançada, dá uma olhada lá, pra não ter problema nenhum na sua produção!

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − 7 =

Baixe o E-book Grátis ↓

Gestão Comercial das Cervejarias Artesanais Brasileiras

Um estudo sobre a forma de atuação

comercial das cervejarias artesanais 

realizado pela ESCM

com a participação

de 262 Cervejarias de todo o Brasil

Eu concordo em receber comunicações por e-mail.

contato