Blog

5 estudos científicos que dão sinal verde para você beber cerveja

A prova de que cerveja artesanal faz bem pra você

Estamos sempre atrás de um bom motivo para beber a nossa cerveja preferida. 

Às vezes só queremos relaxar, matar a sede, socializar, mas segundo especialistas, beber cerveja pode também fazer bem à nossa saúde.

É isso que dizem estudos científicos realizados por pesquisadores ao redor do planeta, empenhados em demonstrar que, quando consumida moderadamente, a cerveja pode trazer benefícios ao nosso corpo. 

E não é que eles conseguiram?

Abaixo, reunimos 5 estudos que demonstram, através da ciência, que aquela cervejinha do final de semana pode contribuir para o seu bem-estar e para a sua saúde.

Cheers!

> Quem bebe cerveja tem mais chance de passar dos 90 anos

Longevidade. Se esse tema interessa a você, sugerimos que você abra uma garrafa da sua cerveja preferida antes de continuar a leitura.

O instituto americano UCI MIND afirma que o uso moderado de álcool  – e também de café – podem ajudar significativamente para que alcancemos com saúde os 90 anos de idade.

O estudo entrevistou idosos nonagenários, procurando respostas para perguntas como: O que faz as pessoas viverem até os 90 anos ou mais? Que tipos de alimentos, atividades ou estilos de vida estão associados a uma vida mais longa?

Entre as principais – e curiosas – descobertas estão que as pessoas que estavam acima do peso na casa dos 70 anos viveram mais do que pessoas normais ou abaixo do peso.

Além disso, pessoas que beberam quantidades moderadas de álcool ou café viveram mais do que aqueles que se abstiveram.

Se a amostra encontrada na pesquisa é reflexo de uma resposta universal a essas perguntas sobre longevidade, não temos como saber. 

Mas que em algum lugar do planeta, beber comedidamente está associado ao aumento da expectativa de vida, isso não há como negar. 

E aí, parece um bom motivo pra você beber cerveja?

> Cerveja é tão eficaz quanto água para reidratar após exercício

Se você é maratonista e está de olho nas provas da Bélgica ou em alguma Corrida da Cerveja como a que promoveu anos atrás Blumenau, a cidade alemã que é a capital brasileira da cerveja e sede da ESCM, pode ir sem medo.

Um novo estudo publicado no Jornal Internacional de Nutrição Esportiva e Metabolismo do Exercício descobriu alguns benefícios potenciais de tomar uma cerveja gelada e com baixo ABV após esportes de resistência.

A pesquisa americana vai ao encontro com o que reportou o professor Manuel Garzon, da faculdade de medicina de Granada. Segundo os seus estudos feitos com 25 alunos, o efeito da reidratação naqueles que receberam cerveja foi “ligeiramente melhor” do que entre aqueles que receberam apenas água após correrem até a exaustão em esteiras.

A explicação estaria na composição da cerveja: o dióxido de carbono ajuda a matar a sede mais rapidamente, enquanto os carboidratos da cerveja substituem as calorias perdidas durante o esforço físico. 

Mas atenção: para se reidratar após o exercício, uma cerveja com baixo teor de álcool é mais eficaz. Nesse sentido, a ingestão de cerveja sem álcool e rica em polifenóis – que reduzem a inflamação e fortalecem o sistema imunológico – pode ser uma estratégia ainda melhor.

Com maior disponibilidade de cervejas de alta qualidade abaixo de 0,5% ABV no mercado que no passado, está cada vez mais fácil se reidratar unido benefícios para saúde e sabor.

beber cerveja faz bem à saúde
Cerveja e saúde podem andar juntas: moderação é a chave, dizem os estudos

> Cerveja tem os mesmos benefícios para o coração que o vinho, segundo estudo internacional

Uma grande pesquisa sobre os efeitos do consumo moderado de cerveja na saúde humana foi conduzida por um painel internacional de especialistas que chegaram a um consenso.

Segundo eles, os efeitos de doses moderadas da bebida alcoólica mais consumida em todo o mundo seriam bem aceitos pelo corpo humano, da mesma forma como já amplamente propagado a respeito do vinho. 

Por moderado, é importante registrar, entende-se o consumo de até um copo de cerveja por dia para as mulheres e dois para os homens.  

A conclusão do estudo que reuniu pesquisadores da Itália, Luxemburgo, Espanha e dos Estados Unidos foi a de que os efeitos da cerveja e do vinho seriam devidos ao etanol e à presença de polifenóis. 

“Os benefícios para a saúde de beber com moderação têm sido atribuídos principalmente ao aumento da sensibilidade à insulina, mudanças no perfil lipídico, aumento da capacidade antioxidante e diminuição da inflamação sistêmica relacionada à aterosclerose”, registraram os pesquisadores.

Por essa razão, diz o estudo, não há motivo para desencorajar adultos saudáveis ​​que já são consumidores regulares de cerveja de forma moderada a continuarem consumindo.

> Beba cerveja e evite pedras nos rins

Um estudo envolvendo 194.095 participantes acompanhados ao longo de mais de 8 anos revelou questões importantes para quem sofre de pedra nos rins.

Como largamente propagado pelo conhecimento popular, aumentar a ingestão de líquidos é um método bem aceito para reduzir a ocorrência e a recorrência de cálculos. 

No entanto, a pesquisa realizada pelo Clinical Journal of American Society of Nephrology concluiu que nem todos os tipos de líquidos são igualmente benéficos.

Quem bebe uma ou mais porções de refrigerante por dia, têm um risco aumentado de cálculos renais em 23%, enquanto quem bebe cerveja tem 41% menos chance de formar pedras nos rins do que pessoas que se abstêm de álcool. 

> Beber cerveja pode ajudar a prevenir o câncer, diz estudo austríaco

“Xanthohumol, um flavonóide prenilado contido na cerveja, evita a indução de lesões pré-neoplásicas e danos ao DNA no fígado e cólon.”

É assim que inicia o artigo científico de um estudo do Instituto de Pesquisa do Câncer de Viena, Áustria, que descobriu que o composto presente nas cervejas pode reduzir o risco de câncer.

Segundo os pesquisadores, os ácidos amargos encontrados no lúpulo reduzem o risco de desenvolver câncer de próstata nos homens e de mama em mulheres. O xanthohumol, um composto encontrado no lúpulo, é conhecido por bloquear a reação química que pode levar a vários tipos de câncer.

“Uma vez que os efeitos foram observados com baixas doses de xanthohumol, que são alcançadas após o consumo de cervejas com altos níveis de xanthohumol, nossos achados podem ser relevantes para humanos”, conclui.

A gente concorda e você?

Vale lembrar que nenhuma pesquisa séria vai dizer para você exagerar no consumo de álcool e abrir mão de uma dieta saudável ou, ainda, deixar de fazer exercícios físicos regularmente.

Mesmo que a cerveja possa fazer bem ao seu coração, ela sozinha não irá desentupir as suas artérias, nem fazer você soprar noventa velinhas.

E, claro, cerveja pode até combinar com saúde, mas nunca combinará com o volante. Se beber cerveja com álcool, desfrute, celebre, mas não dirija, combinado?

Prosit!

>>> Descubra os cursos da Escola Superior de Cerveja e Malte!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × quatro =

contato

Logo Escola Superior de Cerveja e Malte