Blog

A evolução das embalagens de cerveja: barril, vidro, lata, plástico e papel. Papel?

Praticamente o último componente da etapa de produção, as embalagens de cerveja tem um papel protagonista para o sucesso das cervejarias.

Ela é essencial na fase de atração do consumidor, no controle de custos do processo, mas especialmente para a qualidade da cerveja e é por isso que a escolha da embalagem é tão importante para quem produz a bebida.

Tradicionalmente, a cerveja pode ser embalada em garrafas, latas ou barris; cada um com seus prós e contras.

Cerveja engarrafada ou enlatada detém quase a totalidade do mercado cervejeiro, sendo que hoje as latas de alumínio representam mais de 50% das vendas de bebidas, em comparação com 32% em 2009, segundo a Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alumínio (Abralatas).

Apesar do crescimento, temos motivos para acreditar que esse número tende a mudar a longo prazo com o surgimento de novas tecnologias. 

Confira os detalhes sobre as principais formas de acondicionamento da cerveja e as inovações do mercado no assunto.

Cerveja no Barril

O barril foi o primeiro método utilizado para levar a bebida do fabricante para o apreciador de cerveja. 

Há várias centenas de anos, os barris de cerveja eram de madeira, feitos por artesãos. Os “tanoeiros” confeccionavam grandes barris, pesados, com capacidade de armazenamento de grandes volumes.

Bem mais leves, os atuais barris de aço inoxidável, alumínio ou polietileno só começaram a ser utilizados com regularidade na segunda metade do século XX, quando as cervejarias começaram a utilizar dióxido de carbono nos barris de aço para retirar o líquido com a ajuda da pressão. 

barris de cerveja

Hoje, os barris evoluíram de tal forma que a maioria apresenta sistemas de tiragem que permitem entregar uma quantidade certa de cerveja, uma de espuma perfeita e com o menor desperdício possível. 

Além disso, é possível encontrar barris com diversas capacidades, incluindo os mini, de 5 litros, utilizados sobretudo para a venda direta ao consumidor.

Ainda assim, comparados com as outras formas de acondicionamento da cerveja, os barris não são tão utilizados para o consumidor final, mas ainda é o método mais usado no B2B. 

Resumidamente, o envase dos barris de inox seguem as seguintes etapas:

  • Os barris são primeiramente lavados com água para a remoção das impurezas; 
  • Em seguida, eles são higienizados com soluções de higienização;
  • Os barris são preenchidos com gás carbônico (CO2) para a retirada do oxigênio,
  • Os barris são enchidos com cerveja;
  • Pode ser realizada mais uma carbonatação, de acordo com o estilo da cerveja;
  • Após a carbonatação, os barris estão prontos para venda.

Entre as vantagens desse método está a economia de tempo: tampar apenas um barril em vez de dezenas de garrafas é mais rápido e eficiente do que engarrafar ou enlatar. E, claro, acaba sendo mais barato também. 

Embalagens de Cerveja: Garrafa

Garrafas de vidro têm sido usadas para armazenar cerveja nos últimos 400 anos. 

Foi uma evolução dos primeiros recipientes feitos de argila. 

As garrafas de vidro, presentes até hoje com grande relevância para o mercado cervejeiro, tiveram o seu reinado coroado depois das duas guerras mundiais, quando as vendas de cerveja dispararam. 

A garrafa de vidro permitiu uma mudança de hábito de consumo: beber em casa e não apenas nas tavernas.

Hoje, elas ganharam inúmeros formatos e tamanhos, e são feitas principalmente de vidro transparente, verde ou marrom.

Todas as três cores deixam entrar luz, embora o marrom seja mais eficiente para filtrar os raios ultravioletas (UV) prejudiciais à qualidade da cerveja. 

Conhecido como light struck, o off flavor que altera o sabor e o aroma da cerveja é causado ​​pela luz que atinge certas moléculas da cerveja. Portanto, as garrafas precisam ser embaladas e / ou rotuladas de uma forma que evite o máximo possível a passagem de luz.

Apesar desse problema inerente às garrafas, o vidro é um material natural, higiênico e tradicional utilizado na fabricação de garrafas de cerveja. Por isso, as garrafas de vidro são muito comuns na indústria cervejeira e há consumidores que não abrem mão da cerveja engarrafada. 

Nas grandes cervejarias, o engarrafamento envolve as seguintes etapas:

  • As garrafas vazias são removidas dos paletes;
  • Elas são enxaguadas com água filtrada para remover impurezas;
  • As garrafas lavadas são enviadas para a máquina de enchimento que enche as garrafas com cerveja. Alguns gases podem ser injetados na parte superior para dispersar o oxigênio;
  • O capsulador aplica as tampas das garrafas e as fecha;
  • As garrafas cheias lavadas e são pasteurizadas
  • Após a pasteurização, os rótulos são aplicados. 
  • As garrafas são embaladas em caixas e estão prontas para venda.
embalagens de cerveja de vidro
Processo de envase das garradas de cerveja

Cerveja em garrafa é mais popular, mas esse método também tem algumas desvantagens. Inclui o peso do vidro, seu custo, além da dificuldade de transporte.

Por outro lado, o sistema de fechamento é bem eficiente. A borracha na parte interna da tampinha veda a garrafa e as bordas de metal da tampa agarram a borda mantendo a vedação. Assim, a garrafa bem fechada protege a cerveja do contato com o oxigênio por muito tempo.

Cerveja na Lata 

A lata passou a ser utilizada pela indústria da cerveja após duas importantes conquistas:

  • quando foi criado um revestimento para evitar o contato do aço diretamente com a cerveja;
  • quando as latas ganharam rigidez suficiente para suportar pressão do processo de pasteurização.

Essas conquistas foram devidas à American Can Company, na década de 30, coincidindo com o final da Lei Seca que vigorou nos Estados Unidos.

Se hoje ainda há resquícios de uma cultura “anti-lata”, imagine o que era apostar na nova forma de armazenar cerveja há quase cem anos.

De toda forma, foram graças às cervejarias pioneiras que apostaram na utilização desse método, que a lata de aço evoluiu para a de alumínio, muitos mais leves e fáceis de transportar. 

Além disso, a lata de cerveja deixou de ser aberta com um abridor manual e passou a ter um sistema acoplado à tampa cada vez mais prático, até chegar ao “Sta-Tab”, inventado em 1975. A ideia do lacre que rompe a lata é tão genial que está em uso até hoje.

Desde então, a cerveja em garrafas de alumínio ganhou popularidade com os consumidores ano após ano. Desde a década de 1990, a diferença entre o uso de garrafas e latas vem aumentando, já que muitas cervejarias artesanais adotaram o segundo método.

Os motivos são vários: as latas são inovadoras, inteligentes, fáceis de usar e menos caras do que as garrafas de vidro. Além disso, elas são permitidas em muitos lugares onde as garrafas normalmente não são, como praias, piscinas, parques, acampamentos, estádios, barcos, etc. 

De forma simplificada, nas cervejarias, a bebida é envasada nas latas de alumínio na seguinte sequência:

  • As latas, já com as gravações do rótulo, são primeiro lavadas com água;
  • Em seguida, o dióxido de carbono é injetado em latas vazias;
  • As latas são então são preenchidas com cerveja;
  • Após o enchimento, as tampas são colocadas na parte superior e lacradas
  • Após a emenda, as latas são movidas para o enxágue externo e embaladas para venda. 

As latas são mais resistentes a golpes e podem ser recicladas com mais facilidade que o vidro. Eles exigem menos espaço e também são fáceis de transportar. 

Ademais, as latas de cerveja são perfeitamente herméticas e oferecem a mesma proteção contra a luz que os barris. E, uma vez que contêm apenas porções individuais, não há necessidade de instalar um sistema de pressão, como chopeiras, para extrair a bebida. Fora que ela resfria mais rápido, o que é sempre uma grande vantagem em se tratando de cerveja.

Se você é daqueles que faz cara feia para as latas, porque sente um sabor metálico na hora de beber a sua cerveja, a solução é simples. 

Primeiro tenha em mente que as latas de cerveja são forradas do lado de dentro e que, na verdade, a cerveja nunca entra em contato com o metal.

O gosto de metal, portanto, não vem do líquido, mas do cheiro da lata de cerveja. Quando você bebe diretamente da lata, aproxima do seu nariz e inevitavelmente faz você sentir o metal. Use um copo e o seu problema estará resolvido.

Cerveja na Embalagem de Papel

A história de inovação tecnológica e convencimento do público consumidor conquistado pela lata agora está sendo escrita por uma nova protagonista: a Green Fiber Bottle.

A embalagem de papel para cerveja, feita com fibra de madeira sustentável, promete revolucionar a forma com que a cerveja é acondicionada nos próximos anos.

Quem deu o primeiro passo nessa direção foi a Carlsberg, quando em 2019 revelou dois novos protótipos de pesquisa, com embalagens de cerveja totalmente recicláveis.

A empresa dinamarquesa se juntou a outras empresas globais líderes que estão unidas em sua visão de desenvolver embalagens sustentáveis ​​por meio do avanço da tecnologia de garrafas de papel.

A preocupação com o meio ambiente é uma questão cada vez mais atenta aos consumidores que buscam empresas que ofereçam produtos de alta qualidade com reduzido impacto ambiental.

As garrafas de papel desenvolvidas pela Carlsberg têm uma proteção interna para permitir que as garrafas comportem cerveja. O material utilizado é um filme de polímero PET reciclado ou de polímero de PEF 100% biológico.

Mas a cervejaria dinamarquesa quer ir além. 

A Carlsberg busca uma solução para alcançar sua ambição final de uma garrafa 100% biológica sem plástico, um desafio ainda sem resposta – ao menos sem resposta publicamente divulgada.

Alguém duvida que ela se tornará realidade?

embalagens de cerveja de papel
Embalagem de papel ao lado das suas antecessoras | Fonte: https://www.carlsberg.com/en/green-fibre-bottle/

E as garrafas de plástico?

As garrafas de plástico, altamente requisitadas como forma temporária de acondicionamento com a escassez de vidro e lata no ano da explosão da pandemia, geram ainda mais discussões: enquanto alguns apostam na sua evolução, outros a veem como uma solução paliativa.

De um lado, parece provável que as vendas de cerveja em garrafas plásticas se tornem mais comuns no futuro, à medida que os novos recipientes PET estão sendo projetados para suportar a pressão interna e as condições de alto calor do processo de pasteurização.

A vantagem está na economia dos custos de transporte, do baixo custo do material de embalagem e da energia economizada na reciclagem. A aposta é que a soma desses fatores superará a imagem negativa da cerveja em plástico e fará com que ela tenha um espaço cada vez maior nas prateleiras.

embalagens de cerveja de plástico
Garrafas PET com cerveja: futuro?

Por outro lado, quando pensamos na saúde do planeta, ao longo prazo a utilização de plástico deve diminuir, inclusive na indústria da cerveja,  já que o material é visto como uma ameaça à vida marinha em particular.

Os indivíduos estão cada vez mais conscientes de seus hábitos de consumo e a procura por produtos e embalagens ecologicamente corretas tende a crescer. ​​

É por isso que o plástico, inclusive o utilizado nas embalagens exteriores, deverá ser gradualmente substituído e a utilização da garrafa de papel facilmente biodegradável, 100% reciclável e com menor impacto ambiental – assim que pronta – tende a ganhar muitos adeptos.

Dentre todas as previsões, uma coisa é certa: as mudanças nas tendências de estilo de vida continuarão influenciando o uso das embalagens de cerveja e os produtores de bebidas deverão buscar alternativas de embalagens mais sustentáveis, tanto para cervejas individuais quanto para as embalagens externas.

Quem viver, beberá e verá.

> Conheça o curso de Mestre Cervejeiro da ESCM 

Leia também:

5 QUESTÕES QUE AFETAM A QUALIDADE DA SUA CERVEJA

MESTRE CERVEJEIRO: O QUE FAZ, COMO SE TORNAR UM E QUAIS OS CURSOS RECOMENDADOS PARA QUEM SONHA COM A PROFISSÃO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 2 =

Baixe o E-book Grátis ↓

Gestão Comercial das Cervejarias Artesanais Brasileiras

Um estudo sobre a forma de atuação

comercial das cervejarias artesanais 

realizado pela ESCM

com a participação

de 262 Cervejarias de todo o Brasil

Eu concordo em receber comunicações por e-mail.